Nosso tema de hoje quer revelar, qual o perfil do caminhoneiro no Brasil. Quem são eles que se aventuram pelas estradas do nosso país. Quais as dificuldades enfrentadas no dia a dia de trabalho. E quais as diferenças e semelhanças entre os caminhoneiros autônomos e os empregados de frota.

Esse assunto é importante especialmente aos condutores que trabalham de forma independente. Isso porque, conhecendo alguns dados, é possível estipular melhor o preço do frete e reduzir alguns gastos durante as viagens.

Crédito de Imagem / Foto: Guilherme Cipriani

O Perfil do caminhoneiro no Brasil

O mercado de trabalho dos caminhoneiros é essencialmente masculino. A pesquisa da Confederação Nacional do Transporte – CNT,  revela que 99,5% desses profissionais são homens e a média de idade deles é de 44,8 anos. Além disso, eles ganham cerca de R$ 4.600 por mês e trabalham há 18,8 anos. Outro dado relevante é que os caminhões utilizados por eles têm, em média, 15,2 anos. Os caminhoneiros também estão cada vez mais conectados e preocupados com a saúde: 87,7% usam a internet, e 42,6% procuram profissionais de saúde para prevenção.

O universo dos motoristas autônomos

Os motoristas autônomos representam, segundo a pesquisa da CNT, aproximadamente 67% do total de motoristas de caminhões no Brasil. Um número muito representativo e que revela como essa categoria está crescendo nos últimos anos. Desses números, 47% adquiriram seus veículos por meio de financiamento.

A maior parte está na região Sudeste (53,5%), seguido do Sul (23,1%), Nordeste (13,2%), Centro-Oeste (6,3%) e Norte (3,9%). Em questão de estados, São Paulo (31%), Minas Gerais (15%) e Paraná (12%) dominam o mercado desses profissionais.

Ainda, segundo os dados fornecidos pela CNT, a maioria dos caminhoneiros autônomos possui ensino médio completo (27,7%). Neste dado ainda é possível observar que os condutores independentes possuem números extremamente variáveis no quesito escolaridade, possuindo índices relevantes em todas as situações (desde os que abandonaram a escola no ensino fundamental até os que possuem superior completo).

Quanto lucra o caminhoneiro autônomo

A faixa salarial do Caminhoneiro Autônomo (Rotas Regionais e Internacionais) CBO 7825-05 fica entre R$ 2.401,00 (média do piso salarial 2019 de acordos, convenções e dissídios), R$ 1.926,00 (salário mediana da pesquisa) e o teto salarial de R$ 2.964,72, levando em conta profissionais com carteira assinada em regime CLT.

O faturamento bruto mensal chega em média  R$ 16,117,88, pouco menos de 100 reais a mais do que os empregados de frota. O lucro liquido dessa renda bruta, excluindo impostos, encargos, aluguel e combustível, é de R$5,011,39, pouco mais de 1200 reais a mais do que os empregados de frota. Essa diferença está, em grande parte, relacionada a faixa dos condutores que recebem entre 5 e 10 mil mensais, que é de 23% nos independentes e 4% nos empregados.

O perfil profissional mais recorrente como autônomo é o de um trabalhador com ensino Médio incompleto, do sexo masculino que trabalha 44h semanais em micro empresas do segmento de Transporte Rodoviário de Carga. Exceto Produtos Perigosos e Mudanças, Intermunicipal, Interestadual e Internacional. A cidade com mais ocorrências de contratações e por consequência com mais vagas de emprego para Caminhoneiro Autônomo (Rotas Regionais e Internacionais) é São Paulo – SP.

Quais os veículos que os autônomos buscam

A Pesquisa CNT também abordou dados sobre os veículos desses caminhoneiros. Os autônomos possuem, em sua grande maioria (84,4%), apenas um veículo registrado em seu nome. Desses, a grande maioria está em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul, respectivamente.

Os estados que possuem o menor número de veículos registrados são Acre e Maranhão (não chega sequer em 0,1%) e Piauí, Tocantins e Rondônia (0,1%).

Já a marca preferida dos motoristas de caminhão autônomosé a Mercedes-Benz, já que 45,3% deles possuem veículos da marca. Enquanto isso, 17% possuem caminhões da Scania e 14,3% da Volkswagen/MAN.

Dificuldades para aquisição de um novo veículo

Comprar um caminhão novo não é nada fácil, já que os preços muitas vezes são caros e a demanda por fretes as vezes é muito complicada. Por isso, um fator que gera preocupação em muitos caminhoneiros é a idade do seu veículo.

O levantamento, realizado com profissionais de todos os países, revelou que a média de idade dos caminhões desses motoristas autônomos é de incríveis 18,4 anos, expressivos 10 anos a mais do que os veículos das transportadoras.

A necessidade de renovação da frota de pesados no Brasil é uma preocupação que vem sendo manifestada pela CNT nos últimos anos. Em uma das ações mais recentes, a Confederação defendeu a criação de um programa nacional de renovação de frota de veículos pesados no documento “O Transporte Move o Brasil – Propostas da CNT aos Candidatos”, entregue aos presidenciáveis em 2018.

Para a CNT, esse programa deve oferecer taxa de financiamento diferenciada, com foco na retirada de circulação dos veículos com mais de 20 anos de uso. O principal argumento é que esse tipo de veículo consome mais combustível, é mais poluente e apresenta menos segurança para os condutores.

Simulador de financiamento para caminhões no Brasil

A CNT disponibiliza o Simulador de Financiamento de Veículos, que auxilia os transportadores no momento da aquisição do veículo. Ele avalia preços com base em parâmetros de mercado, tais como taxas de juros, prazos, carência e valores financiáveis.

Para as linhas de financiamento ofertadas por bancos comerciais, é utilizada uma taxa de juros média. Ela é baseada nas taxas de juros divulgadas pelo Banco Central para essas instituições, atualizadas periodicamente. Ainda para esses programas, dados de valor financiável, prazo e carência foram definidos por pesquisa de mercado.

Para os programas operados indiretamente pelas instituições financeiras com recursos do BNDES, são utilizados os parâmetros oficiais divulgados por esse banco em circulares que normatizam essas linhas de financiamento.

 

Compartilhe este texto com seus amigos!